Fim de semana nos mato

28 de junho de 2011
Final de semana passado eu viajei. Eu escreveria sobre ainda domingo, mas preguiça bateu. Mentira, nem tem o que falar. Passei quase todo tempo dentro de casa, fosse ela qual fosse, perto de um fogão à lenha; todas casas têm fogão à lenha. Mas isso porque estava muito frio, impossível de dar um passo fora da casa. Ou eu morria congelada, ou morria afogada — na lama. Se fosse verão eu pelo menos sairia de casa, caminharia até onde não tivesse mato (ou até o ponto "daqui em diante não vou senão me perco"). Obviamente não faria nenhuma aventura, nem tentaria me matar como quando pequena, apenas ficaria cercando a casa, mas né. Era frio e me enjaulei, pronto.

Hm, lá eu recuperei meu caderno de anotações, que eu tinha esquecido ano passado lá na casa da minha madrinha. Aí nisso eu comecei a ler o que tava escrito, e vi que ano passado eu fiz minhas observações sobre as cidades que eu nunca sei o nome pra onde eu vou. Aqui vai o que tava escrito:

"Quando se vai para o interior (serra) tu percebe que:
*nenhuma casa tem portão/grade ou qualquer outra coisa que signifique segurança;
*há uma igreja, um banco, um mercado;
*policiais revistam cachorros para terem o que fazer;
*centro da cidade = rua principal;
*de cada 10 casas, 10 tem fogão à lenha;
*as pessoas não usam térmicas para o chimarrão. Há sempre uma chaleira no fogão à lenha;
*não é preciso aquecedores, há fogões à lenha;
*não adianta tu dizer que tá cheio/ não consegue comer mais nada/ vai explodir. Tu vai ter que comer o que te oferecem;
*se não comer o que te oferecem, acharão que tu não gostou de NADA;
*todo mundo curte o mesmo tipo de música, seja lá qual for;
*o céu tem mais estrelas, fato;
*verde é a cor predominante;
*tu consegue ver vagalumes;
*vacas atravessando teu caminho é muito normal;
*as pessoas não sentem frio;
*as pessoas se conhecem pelo sobrenome ou "pertencente" à alguém, tipo: "filho de Fulanotto, casado com uma Ciclanolli"."

Devo acrescentar mais uma coisa: todo mundo, não importa quem seja, não importa se te conhece ou não, perguntará eternamente "E os namorado?". Triste, muito triste.
  1. roubei na cara dura :)
    http://aitiachica.tumblr.com/post/7870951581/quando-se-vai-para-o-interior-serra-tu-percebe-que

    ResponderExcluir

 

Follow by Email

Theme e conteúdo por Marina R. - © Marina's Journal 2011 ~ 2017