Resumo de algumas coisas

11 de setembro de 2011
Hm, esqueci de escrever vários dias. Mas tudo bem, nenhuma dessas palavras não-escritas fizeram falta a alguém mesmo. 

E também não me aconteceu lá muita coisa para ser relatado (como se eu precisasse fazer isso). Quarta-feira, 7 de setembro e portanto feriado, a Dily me convidou para junto com ela, o Gui, o Dimi e o Bruno ir no Park Tupã. Devo dizer que, quando eu disse iria ao Park Tupã, eu e minha irmã ficamos repetindo milhares de vezes  a palavra "Tupã", só por causa da sonoridade engraçada. Enfim, me fui junto com as criaturas para esse tal de parque. O Gui que foi dirigindo, novato nessa arte de comandar um carro. Mas tudo bem, sem medo, ele é inteligente (obrigado pela Física ano passado). Foi tão fácil ir. Brincamos em alguns brinquedos e esperamos então o Dimi. E brincamos loucamente em mais alguns depois, tipo o Kamikaze, e que fique bem claro que não ando naquela coisa novamente tão cedo. Porque? Sei lá, não é medo de altura, até mesmo porque eu gosto de altura. Nem medo de ficar enjoada, é só não comer nada que não tem problema. Mas imagina se um parafuso se solta? Imagina se a pseudo-proteção que está na minha volta se desprende? Eu, de ponta-cabeça, já estava planejando como eu me seguraria nas grades que ficavam acima de mim (no caso, eu estando de cabeça para baixo elas estavam sob mim), caso eu me soltasse do banco. O Dimi foi uma companhia de quase-morte. Depois do Kamikaze não arriscamos nada mais emocionante e fomos para casa.

Quer dizer, demoramos um bom pouco para chegarmos até nossos queridos lares. Nos perdemos um pouquinho, passando misteriosamente pelo centro de Alvorada (mas não fomos assaltados, o que é muito bom). 

Deixa ver o que mais me aconteceu nesses dias... hm. Ontem, sabádo, passei o dia (tarde) caminhando. Fui para o centro de Canoas pra ver se conseguia tirar as fotos necessárias para o trabalho de fotografia (que é nessa segunda), que consiste em: representar, em foto, é claro, o sentimento de patriotismo. Meu Deus, como se faz isso? Acabei tirando fotos de todas as coisas verde e amarela possíveis, de qualquer bandeira do Brasil possível, de monumentos, de qualquer coisa assim. Porque eu não consigo enxergar patriotismo em nenhuma pessoa, a única coisa que me vem à mente quando falam de "pátria" é bandeira. De qualquer forma ficou uma porcaria, e que o professor aceite isso.  Depois fui à pé ao Shopping para comprar o livro "O menino do pijama listrado", metade pago por mim, outra metade pela Natalia. Espero que seja muito bom, porque foi caro. Eu parecia meio idiota andando à esmo e sem ninguém, mas acho até que prefiro assim. Eu tinha em mente voltar para casa a pé, só para fingir que sou saudável. Mas eu vi meu ônibus vindo e foi mais forte que eu. Preciso começar a fazer algum exercício logo, que fique anotado isso.

Ontem foi o aniversário do meu pai, 52 anos. Eu me lembro do meu pai cortando o bolo quando ele fez quarenta. Tudo bem, tudo bem. Parabéns pai, tu é um lindo na minha vida. Um dia faço um texto decente para ti.

Hoje, 11 de setembro, dez anos da queda das torres gêmeas. Eu tava na segunda série, estudava de tarde, e, se não me engano, tava vendo Dragon Ball. 

Enfim, acho que é isso.
  1. Sério que tu fica pensando que vai cair lá de cima? hahaha, eu imaginaria como segurar minhas coisas *dinheiro (espera, não tenho qqq), carteira, etc*. beijos, sua coisa.

    ResponderExcluir

 

Follow by Email

Theme e conteúdo por Marina R. - © Marina's Journal 2011 ~ 2017