Mini protesto

10 de maio de 2014
Lembro que, quando recém havia entrado na faculdade, uma das coisas que mais me tinha impressionado quanto a preços lá dentro é que poderia tomar café com a bagatela de uma moedinha: um real. Como desastrada e pobre que sou, com aquela única moedinha não teria o problema do desastre na hora de contar o dinheiro, nem aquela situação de deixar todas as moedas caírem e fazer o resto da fila me olhar torto porque precisa ir logo pra aula. Sem falar da maravilha que é pagar baratinho por algo que consegue te deixar mais acordada na aula toda trabalhada nos slides em .ppt.

Mas essa alegria de moeda única durou um ano, no máximo um e meio. Logo trocaram as máquinas de café dos saguões dos prédios e com isso trocaram o tipo do copo (mais bonitos!), de pagamento (mais prático!), e de preço (mais caro! porém nem tanto). A delícia de ficar de zóio aberto durante a explicação daquela aula em que não se entende nada passou de um realzito para R$ 1,25. O que não é muito comparando com as mudancinhas. Sou ruim com números, mas ainda consigo somar duas moedas e dar certo a conta final.

O problema é que mudaram novamente as máquinas. Onde antes havia uma lista de opções de café para se tomar, tudo com o mesmo preço, agora existe uma mesma lista com variação de preço conforme o que se quer. Variação de R$ 1,50 a 2 reais!!!!!. Um A-B-S-U-R-D-O. E não é como se tivessem feito grandes mudanças que justificassem o aumento do preço, como no digivolvimento que citei do primeiro para o segundo parágrafo. Inclusive nem houve mudanças positivas. Os copinhos retrocederam e voltaram a ser como quando custava apenas uma moeda; não estão mais colocando palitinho junto ao copo pra mexer o açúcar que fica no final; tá vindo fervendo (meus dedos queimando agradecem, viu).

Acho que compensa passar vergonha e resgatar a mini térmica da lancheira do Sonic de 1999 e levar cafezinho pronto pra aula que ficar catando moeda, errando nas contas e ainda queimar a mão.

Foto rara de café quando ainda não custava os dedos da mão
  1. Por sorte, financeiramente falando, não tenho aquele baaaita hábito de tomar café, nem mesmo quando estou com sono ~ se bem que foram poucas vezes que fiquei com sono na ulbra, hm ~ mas confesso que nas aulas de sábado de manhã tenho provado tal iguaria, e é bem bom *-* e é aí que entendo porque daquelas filas enormes a ponto de tu até perder o recreio

    ResponderExcluir
  2. meio tenso, se não melhorou o serviço pra quê aumentar, né? pior que eu j;a trabalhei num lugar que os preços mudavam todo santo dia e as vezes, o roubo era bem assim mesmo... o mesmo produto e num dia que tava 2,00, no outro tava 3,00 tipo... produto de ouro! E_E auhaauuahahua
    mas eu não tomo café, e do jeito que vai só trocando por outra coisa e levando msm :(

    ResponderExcluir
  3. Eu moro no exterior e o café mais barato aqui é em clubes para pessoas menores de 20 anos e, convertendo as moedas, fica em torno de 3 reais, por menor que seja. Agora, na rua, vai a uns 10 reais e pouco. Claro que o tamanho do salário compensa, mas mesmo assim! Levar uma lancheira pro colégio/faculdade é a saída - o que, aliás, maior parte das pessoas faz aqui, exceto os verdadeiramente ricos, hahaha.

    ResponderExcluir
  4. Sou adepta do café. Embora entenda o seu protesto, pago o preço da queimação de dedo para me aquecer neste inverno. Nada que a cafeína não supra, não?! uahahah

    Um beijo,

    http://www.algumasobservacoes.com/

    ResponderExcluir

 

Follow by Email

Theme e conteúdo por Marina R. - © Marina's Journal 2011 ~ 2017