A equilibrista

5 de dezembro de 2014
imagem: Adara Sanchez Angulano

A aula acabou cedo e eu, com fome, fui no bar comprar um salgado. A sede de café (que acabou aqui em casa) também bateu e fui na máquina comprar um. Poderia parar e sentar para comer, mas não queria perder o ônibus que já iria passar.

E eu o vi passando. Aquele ônibus verde diminuía a velocidade para fazer sua parada no ponto enquanto eu apressava a minha na tentativa de chegar até ele. Café em uma mão, salgado em outra, bolsa no ombro e caderno, que não cabia nela, debaixo do braço.

Corri estabanada, derrubei café, cabelo todo na cara CORRE CORRE CORRE epa mais café no chão CORRE CORRE CORRE sai cabelo não vejo nada CORRE CORRE CORRE ai meu deus não quero morrer atropelada carros parem pfv. CHEGUEEEEI. Bufando, mas cheguei.

Acho que foi algum milagre divino ou coisa assim, porque não lembro como consegui retirar o cartão de dentro da minha bolsa sendo que as duas mãos estavam ocupadas e não tinha jeito de desocupa-las no momento. Mas enfim, de alguma forma (provavelmente intervenção divina) o cartão do ônibus surgiu em minhas mãos e consegui passar a catraca, não sem antes derrubar mais café no chão com um bônus de cara feia da menina ao lado para mim.

Sentei finalmente no banco, joguei bolsa e caderno pro lado e continuei comendo e tomando café. Os guardanapos que vieram com o salgado sem querer voaram pelo ônibus porque ainda não tinha como segurar direito e por isso teve mais cara feia pra mim, mas pelo menos já estava chegando em casa. Tô viva, quieta no meu canto e de barriguinha cheia. É isso que importa.
  1. HAHAH me fez lembrar da minha vida quando eu dependia de bus diariamente. a gente tem que se virar nos 30 né, sobrevivência HAHA :*

    ResponderExcluir
  2. Mas conseguiu comer e tomar seu café! Ebaaaa o/
    Das correrias universitárias.

    ResponderExcluir
  3. Sempre fico com sensação de EU TE ENTENDO! quando leio histórias de ônibus.

    ResponderExcluir
  4. Oi! Amei o texto, amei o blog! Tenho um blog onde deposito meus desabafos em forma de textos. Gostaria muito que desse uma olhada por lá, É um projeto novo mas feito com muito carinho: carolsoaresdiz.blogspot.com.br sucesso e obrigada!

    ResponderExcluir
  5. As maratonas do dia-a-dia, acho que TODO MUNDO vai se identificar com esse texto Marina. Sensacional! \o/

    ResponderExcluir
  6. Já passei por maus bocados em ônibus e nem imagino como vc conseguiu entrar comendo. Eu nem consigo imaginar fazendo isso, mal sei me equilibrar com uma bolsa kk

    ResponderExcluir
  7. Aff, descreveste em pouca linhas toda uma emoção que sentiste e os malabarismos que empreendestes. Mas venceu. Assim eu faço quando cozinho. Combino os temperos,a água. A cebola e o alho não podem queimar. kkkk Mas na rua, num ônibus é complicado. Mas que foi engraçado foi. Gostei. Meaou...gatinha.

    ResponderExcluir
  8. ADORO suas crônicas, sério! Você consegue falar tão bem das situação do dia-a-dia. Menina, você tem talento!
    Beijos.
    lugaaraosol.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 

Follow by Email

Theme e conteúdo por Marina R. - © Marina's Journal 2011 ~ 2017